Escolha uma Página

Existe uma recomendação especial sobre quanto tempo deve durar o aleitamento materno? Muita polêmica cerca esta questão, já que muitas mães defendem a amamentação prolongada enquanto outras, nem tanto. Em um post muito comentado no Instagram, a atriz Tais Araújo contou na semana passada  três situações diversas envolvendo a amamentação e que foram muito marcantes para ela.

Enquanto a própria atriz foi amamentada até os seis anos de idade, ela, apesar de todo empenho, amamentou o primeiro filho por bem menos tempo, e não teve a oportunidade de amamentar a caçula, o que causou frustração. Mas, afinal, existe um tempo ideal para amamentar?

Sem modelo

A pediatra e especialista em puericultura da Consukids, Bruna Lopes, explica que não há um modelo a ser seguido se o assunto é aleitamento materno. Enquanto algumas mulheres vão conseguir amamentar por mais tempo,outras não e também há quem não consiga mesmo amamentar. Em todos os casos, vale o bom senso, e claro, poder contar com uma boa rede de apoio.

“O aleitamento deve começar o mais cedo possível, após o nascimento do bebê e ser exclusivo até o sexto mês. Sem necessidade de água, suco ou chá. Após os 6 meses, o leite materno é mantido juntamente com a oferta de outros alimentos. A recomendação é manter o aleitamento até os 2 anos ou mais, de acordo com a possibilidade e vontade materna”, esclarece.

“Não ha idade máxima, porém com o consumo de outros alimentos e com o crescimento da criança, não existe a mesma necessidade do leite materno, já que a partir desta idade, as calorias são supridas pela alimentação complementar e a imunidade já está em fase de amadurecimento”, completa  a médica.

O importante é que toda mãe seja devidamente orientada sobre os benefícios do aleitamento e que tenha o apoio da família para que ele aconteça com tranquilidade, em especial, nos primeiros seis meses de vida da criança.

Confira o depoimento da atriz, na íntegra:

Por um problema de saúde, a atriz não pode amamentar a caçula.

Fui amamentada até o seis anos. Nem preciso dizer que minha relação com amamentação, com a minha mãe, com o peito é de amor e gratidão. Lembro de puxar a blusa da minha mãe em qualquer lugar para receber aquele carinho e suprir minha dependência. Quando me tornei mãe, amamentar era a minha grande missão, e na primeira gravidez foi cumprida com sucesso: exclusivamente no peito, nem água, até os 6 meses, e até 1 ano e 2 meses com outros alimentos, até durante as gravações de “Cheias de Charme”. Só parei quando ele não quis mais. E ainda fiquei mal, pq lá no fundo eu desejava repetir a história da mamãe. Na segunda gestação, a decepção: não consegui amamentar. Fiquei doente na semana do parto e as medicações me impediram. Sinceramente, não contava com essa peça que a vida me pregou. Fiquei triste, chorava noite e dia, tinha culpa, me sentia incapaz, morria de medo de não conseguir estabelecer uma relação com ela. Bom, a solução que eu achei foi dar todas as mamadeiras, pq mesmo que eu não pudesse amamentar, esse momento do olho no olho, de alimentar e acordar de 3 em 3 horas deveria ser meu. Quando, finalmente, pude amamentar, ela não queria mais o meu leite. Mais choradeira, mais decepção, mais frustração. Foi quando a minha irmã, ginecologista e obstetra, me chamou pra realidade, dizendo que eu deveria virar essa chave e me fortalecer, pq a relação entre mãe e filho se estabelece de várias maneiras. Ouvi, obedeci, me fortaleci e, consequentemente, fortaleci a minha família. Bom, tudo isso é pra lançar aqui uma reflexão: nem toda gravidez é igual, nem toda amamentação é igual. Por que nos cobramos tanto? Por que não aceitamos o que é possível pra cada uma de nós? Essa é a semana da amamentação. Amamentar é muito importante! Dói, machuca o peito, cansa. Não vou mentir. Mas é delicioso e nos dá a plena sensação da maternidade. Mas, se por qualquer motivo, vc não conseguir, siga firme. Seus filhos são seus filhos e por mais lindo que seja amamentar, existem outras maneiras de estabelecer essa relação que, acredito, está muito além da amamentação. Essa relação se estabelece no dia a dia, até quando não estivermos mais aqui pra eles. 😍😍😍 ⠀

Créditos: Foto1 – pixabay /foto2: Reprodução/Instagram